Conteúdo da Notícia

Cinco pessoas surdas concluem curso de Brigada de Incêndio do Centro de Documentação do TJCE

Publicado em: 07-03-2019

Um total de 17 funcionários do Centro de Documentação e Informática do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) concluíram na sexta-feira (01/03), o curso da 1ª turma de Brigada de Incêndio promovido pela Assistência Militar do Poder Judiciário. Entre eles, cinco eram pessoas surdas.

A formação dos alunos teve início no último dia 25, com aulas teóricas sobre prevenção e combate de incêndio. Já no último dia de curso, houve treinamento real em campo com simulação de incêndio, no Grupo Resgate em Emergência (Greme), no bairro São Gerado, em Fortaleza. O instrutor foi o 2º tenente da 8ª Cia de Bombeiros da Assistência Militar do Tribunal, Aguiar Silva.

Uma das pessoas surdas era Liliane da Silva. “Gostei muito de ter participado, principalmente porque lido com muito papel e esse conhecimento vai me ajudar no trabalho. Também vou levar esse conhecimento para minha família e crianças em situações de risco”, afirmou.

O grupo de surdos foi auxiliado pela funcionária do setor de Arquivo do Centro de Documentação, Nara Gonçalves, que fez tradução para Língua Brasileira de Sinais (Libras). “O curso é muito importante porque não existe outra forma de eles obterem esse conhecimento, a não ser pelos bombeiros, então a minha profissão se evidencia exatamente em passar essas informações e pode até ajudar em incêndios”, disse.

Segundo Nara, alguns sinais tiveram que ser adaptados para melhor compreensão dos surdos. “Adaptamos alguns sinais para que, ao invés de gritar ou pedir socorro, eles fizessem algum sinal que indicasse perigo. Em uma situação de risco, eles já sabem o que fazer. Nós vamos compartilhar depois esses sinais com as pessoas que escutam, que são ouvintes, para que eles também possam interagir em uma situação de risco”, destacou.

FATO INÉDITO

Para o 2º tenente, Aguiar Silva, a presença dos alunos surdos é algo inédito nas brigadas de incêndio formadas por ele. “Estamos entrando para a história do Ceará na formação de pessoas surdas. Há 13 anos formamos brigadas de incêndio e essa é a primeira vez que temos a presença deles, interagindo conosco. Como tem intérprete que faz a tradução, fica fácil para eles absorverem o conhecimento. No treinamento teórico alguns até relataram experiências e a tradutora nos passou o que tinha acontecido”, lembrou.

O major Erle Rocha, comandante da 8ª Cia do 1º Batalhão dos Bombeiros, acompanhou o treinamento dos brigadistas e ratificou a importância da existência de brigadas nas edificações. “Além de uma importância legal, nós precisamos atender a esse ordenamento do Corpo de Bombeiros. Instituir dentro de cada edificação uma cultura de prevenção para que sejam evitados acidentes, algum princípio de incêndio e, se não conseguir evitar, que esse grupo tenha condição de fazer um combate imediato e facilitar a evacuação dos demais funcionários da edificação”, explicou.

Ainda segundo o major, a pretensão é que ao longo de 2019 sejam formadas 20 brigadas de incêndio dentro da estrutura do Poder Judiciário cearense. “Iniciamos no Centro de Documentação e Informática, depois no Palácio da Justiça e ainda em algumas comarcas da Região Metropolitana e do Interior do Estado”, adiantou.

NOVA TURMA

As aulas da 2ª turma da Brigada de Incêndio do Centro de Documentação e Informática do Tribunal terão início na próxima segunda-feira (11/03), na Sala de Capacitação, no térreo do Palácio da Justiça, bairro Cambeba. Estão inscritos 22 alunos. No total, a brigada contará com 39 pessoas.