Conteúdo da Notícia

Comissão de Avaliação Documental debate armazenamento de documentos

Comissão de Avaliação Documental debate armazenamento de documentos

Integrantes da Comissão Permanente de Avaliação Documental (CPAD) estiveram reunidos na quinta-feira (13/02) para dar continuidade às ações atinentes ao Programa de Gestão Documental, no âmbito do Poder Judiciário do Ceará, que foi instituído pela Resolução do Órgão Especial nº 28/2017.
Na ocasião, foi discutida a operacionalização da guarda e a classificação de documentos, de acordo com a Tabela de Temporalidade do Judiciário cearense. “Com a expansão da implantação do processo eletrônico em todo o Estado, e a consequente digitalização dos feitos, restou um volume muito grande de documentos físicos que necessitam de gestão e guarda. Porém, esse serviço requer espaço físico adequado para alocá-los, bem como sistema e mão de obra qualificada para se fazer a gestão”, explicou a desembargadora Maria de Fátima Melo Loureiro, presidente da Comissão.
Também foi deliberada a criação de um portal da transparência para divulgação dos trabalhos, contendo, inclusive, os normativos, manuais de procedimentos e a Tabela de Temporalidade.
A Comissão, que se reúne mensalmente, é composta pela desembargadora Maria Fátima de Melo Loureiro (presidente), pela desembargadora Lisete de Sousa Gadelha e pelo desembargador Francisco Gomes de Moura. Integram, ainda, o superintendente da Área Judiciária, Nilsiton Aragão, e representantes da Secretaria Judiciária, da Secretaria de Administração e Infraestrutura, da Secretaria de Tecnologia da Informação e da Diretoria do Fórum Clóvis Beviláqua.
BALANÇO
Desde a sua implantação, a CPAD já descartou cerca de dez toneladas de documentos, com destaque para as petições iniciais e intermediárias, digitalizadas e inseridas nos processos eletrônicos. Dentre as ações em curso, destaca-se a seleção para descarte dos agravos de instrumento já baixados, que somam cerca de 25.000, alocados no Serviço de Arquivo.